sexta-feira, 24 de julho de 2009

Lesões bucais e as próteses totais


Muito se ouve falar:
-Doutor, coloquei dentadura e não preciso ir nunca mais ao dentista!
Engano pensar desta forma, pois os cuidados com estes tipos de próteses devem se grandes e os riscos de problemas futuros existem caso não sejam observados os critérios científicos necessários a sua confecção e as verificações periódicas com profissionais habilitados.
A falta de informações sobre a confecção, uso e manutenção das próteses totais ainda é um fato encontrado dentre os usuários deste tipo de aparelho. As lesões causadas pela presença de microorganismos acumulados sobre as superfícies protéticas graças à deficiência na higienização destas ou causadas por traumatismos gerados pela adaptação deficiente das mesmas sobre os rebordos alveolares são as mais comumente encontradas na prática odontológica diária.
Lesões como a Estomatite Protética, a Hiperplasia Fibrosa Inflamatória e a Lesão Periférica de Células Gigantes são achados constantes .
A perda da altura dos dentes artificiais podem acarretar em sérios prejuízos à Articulação Têmporo-Mandibular – ATM.
O uso destes tipos de próteses levam a uma reabsorção dos ossos de sustentação culminando em uma adaptação inadequada com o passar dos tempos.
O velho ditado popular, ainda muito falado, de que “dentadura boa tem que machucar para acostumar” é uma inverdade, pois a dentadura deve se adaptar à boca e não o contrário.

Como cuidar das próteses removíveis?
Não dormir com estas peças protéticas;
Higienizar usando escova dental em toda a prótese; não somente sobre os dentes artificiais;
Em caso de fratura da prótese não tentar “colar”, mas sim procurar um Cirurgião-dentista para indicar ou sua troca ou reembasamento, seguindo-se padrões técnicos;
Pode-se colocar estas próteses imersas em água sanitária diluída em água, mas lavá-las com água corrente antes de serem novamente usadas;
Escovar a língua;

Quando o usuário deste tipo de prótese deve procurar o Cirurgião-dentista?
Visitar o Cirurgião-dentista, no mínimo, a cada 5 (cinco) anos para uma avaliação do estado do aparelho e de toda a cavidade bucal e a relação existente entre estes.
Caso a prótese apresente uma cavidade localizada na superfície palatina ou “céu da boca” denominada de câmara de sucção esta visita deve ser o mais breve possível, pois o uso desta é contra-indicado.
Na presença de ardor, prurido (coceira) ou gosto amargo.
O uso de próteses mal confeccionadas, mal adaptadas ou em estado precário de uso e conservação é um fator favorecedor do surgimento de lesões de tecido mole na cavidade bucal;
Infecções fúngicas são constantemente observadas em pacientes que não tem o hábito de remover as próteses ao dormir.

Baseado em texto publicado em:
http://odontologia.com.br/artigos/lesoes-causadas-proteses.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário